Prêmio Cidade Amiga dos Animais da Proteção Animal Mundial

Município vencedor participou da 3a Conferência Icam sobre Manejo Populacional de Cães, em setembro, no Quênia

 

A Proteção Animal Mundial (anteriormente conhecida como Sociedade Mundial para a Proteção Animal) é uma organização não governamental que há mais de 50 anos vem buscando proteger e melhorar o bem-estar dos animais, além de evitar seu sofrimento. As atividades da organização incluem trabalhar com empresas para garantir altos padrões de bem-estar para os animais sob seus cuidados; trabalhar com governos e outras partes interessadas para impedir que os animais silvestres sejam cruelmente negociados, presos ou mortos; e salvar a vida dos animais e os meios de subsistência das pessoas que dependem deles em situações de desastre. A organização influencia os tomadores de decisão a colocarem os animais na agenda global e inspira as pessoas a mudarem a vida dos animais para melhor.

Como parte de suas ações, a Proteção Animal Mundial criou o Prêmio Cidade Amiga dos Animais, voltado para cidades latino-americanas, visando identificar e reconhecer as melhores estratégias utilizadas para lidar com as populações de cães e gatos de forma humanitária. O prêmio faz parte da campanha “A vida é melhor com cães”, que visa celebrar a convivência com o “melhor amigo do homem”, ao mesmo tempo que aborda questões como abandono e falta de cuidados veterinários.

Rosângela Ribeiro, gerente de campanhas veterinárias da Proteção Animal Mundial no Brasil, citou a importância de as cidades – grandes e pequenas – terem uma política assertiva de manejo da população de cães e gatos. “No Brasil há cerca de 30 milhões de cães e gatos vivendo nas ruas. Para que essa população conviva em harmonia com a comunidade, são necessárias medidas para controlá-la, diminuindo o abandono, melhorando a guarda responsável e protegendo o bem-estar de pessoas e animais”, afirmou ela.

Para concorrer, as cidades precisaram ter programas de manejo de populações de cães e gatos por pelo menos seis meses. Também foi necessário que o município tivesse uma legislação ou política pública sobre o tema e um departamento oficialmente designado para gerenciar o serviço de manejo de populações de animais domésticos.

O gestor responsável pela inscrição da cidade vencedora ganhou uma viagem para participar da 3a Conferência de Manejo de Populações de Cães – Icam, em Mombaça, no Quênia, que ocorreu de 18 a 20 de setembro deste ano. O segundo e o terceiro lugares receberam a placa de reconhecimento Cidade Amiga dos Animais. As dez primeiras colocadas terão seus projetos publicados em um livro digital que será divulgado em toda a América Latina.

1º lugar – Bogotá, Colômbia

Bogotá está realizando um trabalho de destaque pelo bem-estar de seus cães e gatos. São milhares de animais beneficiados por mais de 10 campanhas e diversos programas educacionais sobre guarda responsável.

A cidade conta com uma equipe treinada para receber e atuar em casos de maus-tratos – o esquadrão anticrueldade – e treina seus policiais para lidar com situações desse tipo.

Outro destaque é o trabalho feito com animais de abrigos, que conta com o apoio de etologistas (especialistas em comportamento animal). Os animais são avaliados assim que chegam ao abrigo, o que ajuda a encontrar a melhor família para cada um deles.

Bogotá também lida com casos de acumuladores de animais. Um grupo interprofissional, que inclui psicológos, visita os locais onde o problema existe e oferece apoio às pessoas e aos animais.

O envolvimento da comunidade é uma preocupação para a cidade. Além de consultar informações sobre guarda responsável nas redes sociais da prefeitura, os cidadãos podem colaborar com o bem-estar dos animais usando o aplicativo Distrito Appinmal e são incentivados a cuidar dos animais sem tutores por meio do programa Comunidade Zoolidária.

Bogotá estabelece convênios e parcerias com pessoas, instituições e organizações não governamentais para realizar ações em prol dos cães e gatos da cidade.

 

 
 

Vídeo do Instituto Distrital de Protección y Bienestar Animal (IDPYBA) de Bogotá, Colômbia – https://youtu.be/ZbjNyYVqwlo

 

2º lugar – Conselheiro Lafaiete, MG

Desde 2006, Conselheiro Lafaiete tem se destacado em seu trabalho de manejo de populações de cães e gatos. Naquele ano, a prefeitura promulgou uma lei de proteção animal que permitiu muitos avanços para os animais da cidade.

Em parceria com a organização não governamental ALPA, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Conselheiro Lafaiete realiza campanhas de vacinação, adoção e lar transitório e identificação de animais com microchips, além de eventos sobre bem-estar animal, guarda responsável e controle de zoonoses. Com ações coordenadas, foi possível controlar o avanço de doenças como esporotricose e da leishmaniose visceral canina na cidade.

O CCZ da cidade também é responsável por ações de esterilização e resgate de animais em situação de risco, vítimas de maus-tratos e aqueles com histórico de agressão a humanos, que passam por um programa de reabilitação para que possam ser adotados.

 

 

Em média, setenta animais são esterilizados semanalmente no município, atingindo mais de 3.000 castrações anuais, o que representa 10% da população de cães e gatos. Graças a esse controle reprodutivo, Conselheiro Lafaiete registra, desde 2012, uma redução de 60% das solicitações de recolhimento de fêmeas prenhes e ninhadas nas áreas urbanas e de 35% na zona urbana.

A conscientização da população contra o abandono de animais e a educação em guarda responsável é feita por meio de varias ações coordenadas, como um programa de rádio, campanhas de televisão e projetos como o “Veterinário Mirim”, “Quem Ama Castra”, “Animal Sente” e “Escola no Parque”. O município também desenvolve ações em uma comunidade Quilombola, onde realiza programas de castração e vacinação anuais.

Na cidade mineira, os cães comunitários são reconhecidos, identificados e protegidos pela legislação municipal e fazem parte do cotidiano da cidade.

3º lugar – São Paulo, SP

São Paulo é um exemplo de uma grande metrópole que fez grandes avanços no manejo de populações de cães e gatos. Em parceria com clínicas veterinárias credenciadas, organizações não governamentais, organizações da sociedade civil, escolas e unidades móveis de esterilização e educação em saúde, somada à estratégias multidisciplinares e novos protocolos de atuação, a capital paulista tem desenvolvido um trabalho pautado em politicas públicas permanentes e sustentáveis.

Em 2001, após décadas de uso de métodos ineficazes e cruéis para controle de animais, a cidade implementou o Programa Permanente de Controle Reprodutivo de Cães e Gatos (PPCRCG), que esteriliza gratuitamente cerca de 100.000 animais todos os anos. A prefeitura também oferece esterilização cirúrgica para animais tutelados por protetores independentes cadastrados no “Programa de Apoio ao Protetor Independente”, sem limite do número de procedimentos.

Os tutores de cães e gatos contam, ainda, com o atendimento clínico e cirúrgico gratuito em dois hospitais veterinários públicos (com previsão de ampliação do serviço) e cinco unidades móveis de esterilização cirúrgica. O serviço é destinado à população carente da cidade.

Os animais comunitários estão protegidos na cidade desde 2008 e programas de controle da população de gatos ferais, assim como monitoramento e controle dos animais em áreas de interesse à saúde, foram implementados.

Em relação à comunidade, o governo paulistano é pioneiro em questões como guarda responsável na educação infantil, tendo implementado o Projeto Escola Amiga dos Animais. Oferece, também, atendimento a acumuladores de animais por uma equipe interprofissional composta por psicólogos, assistentes sociais, veterinários e outros profissionais.

Nas áreas de preservação ambiental e indígenas, a prefeitura realiza o monitoramento, controle reprodutivo de animais, programas de saúde veterinária preventiva e cuidados sanitários dos animais.

 

 

Criado e coordenado pela Proteção Animal Mundial, o Prêmio Cidade Amiga dos Animais conta com o apoio do Centro Colaborador da OIE em Bem-Estar Animal e dos Sistemas de Produção Pecuária do Chile, Uruguai e México, da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), do Instituto Técnico de Educação e Controle Animal (Itec), do Conselho Federal de Medicina Veterinária e Zootecnia do Brasil (CFMV) e da Associação Mundial de Veterinários de Pequenos Animais (WSAVA).

Proteção Animal Mundial

www.protecaoanimalmundial.org.br

www.worldanimalprotection.org.br/cidade-amiga

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *