OIE divulga perguntas e respostas sobre o Coronavírus

Para esclarecer os questionamentos sobre o novo Coronavírus 2019 (2019 n-CoV), a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) divulgou informações em formato de perguntas e respostas. Tendo em vista o papel do médico-veterinário como profissional de Saúde Única, responsável pela saúde animal, humana e ambiental, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) traduziu o conteúdo para o português a fim de orientar os profissionais e a população sobre o tema. Confira:
O que é o novo coronavírus de 2019?
Os coronavírus (CoV) são uma família de vírus de RNA (ácido ribonucleico). Eles são chamados coronavírus porque a partícula do vírus exibe uma característica ‘coroa’ (coroa) de proteínas espigadas em torno de seu envelope lipídico. As infecções por CoV são comuns em animais e humanos. Algumas cepas de CoV são zoonóticas, o que significa que podem ser transmitidas entre animais e humanos, mas muitas cepas não são zoonóticas.
Em humanos, o CoV pode causar doenças que variam do resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória no Oriente Médio (causada pelo MERS-CoV) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (causada pelo SARS-CoV). Investigações detalhadas demonstram que o SARS-CoV foi transmitido de civetas para humanos e o MERS-CoV de camelos dromedários para humanos.
Em 31 de dezembro de 2019, foram relatados casos humanos de pneumonia de etiologia desconhecida na cidade de Wuhan, província de Hubei, na China. Um CoV, chamado 2019 de novo coronavírus (2019-nCoV), foi identificado como o vírus causador pelas autoridades chinesas em 7 de janeiro de 2020. Desde então, casos humanos com histórico de viagens a Wuhan foram relatados por várias províncias da China e por vários países também fora da China.
Para obter informações atualizadas, consulte o site da OMS https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019.
Os animais são responsáveis por novas infecções por coronavírus em 2019?
Os dados da sequência genética revelam que 2019-nCoV é um parente próximo de outros CoV encontrados circulando em populações de morcegos Rhinolophus (morcego-ferradura). Suspeita-se que o 2019-novelCoV possa ter uma fonte animal, mas são necessárias mais investigações para confirmar isso.
Embora haja suspeita de que a introdução inicial de 2019-nCoV aos seres humanos possa ter vindo de uma fonte animal, a rota predominante de transmissão subsequente parece ser de humano para humano.
As investigações em andamento são importantes para identificar a fonte animal (incluindo espécies) e estabelecer o papel potencial de um reservatório animal nessa doença.
Existem precauções a serem tomadas com animais vivos ou produtos de origem animal?
De acordo com os conselhos oferecidos pela OMS, como precaução geral, ao visitar mercados de animais vivos, úmidos ou de produtos de origem animal, devem ser aplicadas medidas gerais de higiene, incluindo lavagem regular das mãos com sabão e água potável após tocar em animais e produtos de origem animal, evitar tocar nos olhos, nariz ou boca com as mãos e evitar contato com animais doentes ou produtos animais estragados. Qualquer contato com outros animais possivelmente vivendo no mercado (por exemplo, gatos e cães vadios, roedores, pássaros, morcegos) deve ser estritamente evitado. Também deve ser tomada atenção para evitar o contato com resíduos ou fluidos de animais potencialmente contaminados no solo ou nas estruturas de lojas e instalações de mercado.
As recomendações padrão emitidas pela OMS para impedir a propagação da infecção incluem lavagem regular das mãos, cobertura de boca e nariz ao tossir e espirrar, e cozinhar completamente carne e ovos. Evite contato próximo com qualquer pessoa que apresente sintomas de doenças respiratórias, como tosse e espirros. Carne crua, leite ou órgãos de animais devem ser manuseados com cuidado, para evitar a contaminação cruzada com alimentos não cozidos, conforme boas práticas de segurança alimentar.
Com base nas informações atualmente disponíveis, não são recomendadas restrições de viagem ou comércio.
O que a OIE está fazendo?
A OIE está em contato com sua Representação Regional na Ásia e no Pacífico, o Delegado da OIE para a China e o Serviço Nacional de Veterinária, o Grupo de Trabalho para Vida Selvagem da OIE, bem como a FAO e a OMS, para reunir e compartilhar as informações mais recentes. A OIE está em estreita ligação com sua rede de especialistas envolvidos em investigações atuais sobre a fonte da doença. Rumores e informações não oficiais também são monitorados diariamente.
Quais são as responsabilidades internacionais da autoridade veterinária neste evento?
A detecção de 2019-nCoV em animais atende aos critérios de notificação à OIE por meio do WAHIS, de acordo com o Código de Saúde Animal Terrestre da OIE como uma doença emergente.
Portanto, qualquer detecção de 2019-nCoV em um animal (incluindo informações sobre as espécies, testes de diagnóstico e informações epidemiológicas relevantes) deve ser relatada à OIE.
É importante que as Autoridades Veterinárias se mantenham informadas e mantenham estreita ligação com as autoridades de saúde pública e os responsáveis pela fauna silvestre, para garantir mensagens de comunicação e gerenciamento de riscos coerentes e apropriadas.
A gestão eficaz dos riscos de biossegurança e a cooperação com as autoridades de inspeção devem ser mantidas nas fronteiras.
Fontehttps://www.oie.int/scientific-expertise/specific-information-and-recommendations/questions-and-answers-on-2019novel-coronavirus/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *