O novo coronavírus e os animais de companhia — Atualização de 25 de maio de 2020

Helio Autran de Morais

MV, MS, PhD, DACVIM (Medicina interna e cardiologia)

Professor titular e diretor do Hospital Veterinário

Universidade do Estado de Oregon, EUA

helio.demorais@oregonstate.edu

 

 

Toda semana, mais informações estão disponíveis sobre o SARS-CoV-2 e os animais. Consequentemente, é necessária uma atualização constante do trabalho “O novo coronavírus e animais de companhia 1, publicado em 5 de maio de 2020, e de suas atualizações em 11 de maio de 2020 2 e 17 de maio de 2020 3. O objetivo desta atualização é incluir as informações a respeito do SARS-CoV-2 e animais disponibilizadas entre 18 e 25 de maio de 2020.

 

Gatos

O que já sabíamos 1,2,3

– Gatos jovens podem ser infectados experimentalmente por via intranasal 4 ou em uma combinação de via intranasal, intratraqueal e ocular 5:

  • Gatos inoculados experimentalmente não desenvolvem sinais clínicos 4,5;

  • A eliminação de vírus é relativamente baixa 5, mas gatos jovens, em condições experimentais, podem transmitir o vírus a outros gatos mesmo sem contato direto 4,5;

– Ocasionalmente, gatos podem adquirir a infecção de pessoas;

– O vírus já foi identificado em:

  • Oito gatos, 2 desses gatos não apresentaram sinais clínicos;

  • 5 tigres, 1 dos quais era assintomático;

  • 3 leões, todos com sinais respiratórios;

– Gatos naturalmente infectados podem ou não desenvolver sinais clínicos:

  • Sinais gastrintentistinais e respiratórios já foram associados ao SARS-CoV-2 em gatos;

– Gatos eliminam o vírus por via nasofaríngea e retal;

– Gatos desenvolvem anticorpos neutralizantes:

  • Em um estudo ainda não publicado em Wuhan, China, 11 de 102 gatos desenvolveram anticorpos neutralizantes contra SARS-CoV-2 6;

  • Anticorpos contra o SARS-CoV-2 foram detectados em três de onze gatos que viviam em uma das fazendas holandesas em que está ocorrendo um surto de Covid-19 em visons 7:

    . É possível que esses gatos tenham adquirido o vírus dos visons 7.

 

O que aconteceu na última semana

Infecção natural

O Ministério da Agricultura, Natureza e Qualidade dos Alimentos da Holanda divulgou em 19 de maio de 2020 o resultado das investigações recentes do Covid em fazendas de visons, concluindo que é importante investigar melhor o papel dos gatos na transmissão potencial de vírus entre granjas 8. Todas as fazendas estão localizadas na mesma região, a alguns quilômetros de distância umas das outras, e o vírus que afetou duas delas é geneticamente similar. Esse vírus também é diferente das cepas humanas circulando no país 7. Isso sugere um mecanismo de transmissão de uma fazenda para a outra, e por isso o foco em gatos. Já se suspeitou que gatos pudessem transmitir uma doença viral respiratória entre granjas em algumas áreas com surtos de influenza aviária H5N1 altamente patogênica 9,10. A conclusão do governo holandês é inicial e corroborada pelo fato de que 3 de 11 gatos de uma fazenda tinham anticorpos contra SARS-CoV-2 8. Estes gatos vivem nas propriedades e não são socializados ou acostumados com seres humanos, diminuindo as chances de terem adquirido a doença por contato próximo com uma pessoa infectada. A transmissão de visons para gatos foi presumida em um relatório anterior 7. O cenário atual também exigiria que os gatos pudessem transmitir o vírus para os visons. Não será possível chegar a uma conclusão final sem dados adicionais, porque não foi possível obter a sequência genética dos vírus que infectaram os gatos 8.

Os casos de infecção natural em gatos nos quais foi detectada a presença de antígeno estão descritos na figura 1.

Data Local Quantidade Descrição Ref.
28/03/2020 Liege
Bélgica
1 animal RNA viral de SARS-CoV-2 foi detectado por RT-PCR em vômito e fezes de um gato com diarréia, vômito e dispnéia. Não foi possível estabelecer semelhança entre as sequências de SARS-CoV-2 presentes no gato e no tutor. O animal apresentou melhora clínica após 9 dias do início dos sintomas. 11 e 12
31/02/2020 Hong Kong, China 1 animal Gato assintomático colocado em quarentena depois que seu tutor foi hospitalizado devido à infecção por Covid-19. Amostras de swab nasal, oral e retal foram positivas para SARS-CoV-2. O gato não exibiu nenhum sinal clínico específico. O vírus não pôde ser isolado e o gato retornou para o tutor após apresentar resultados negativos em testes consecutivos. 13, 14 e 15
22/04/2020 Estado de Nova York, EUA 2 animais Os dois gatos testaram positivo para SARS-CoV-2 em RT-PCR. Um gato é do interior do estado (Orange County) e o tutor é positivo para Covid-19. Os sinais no gato apareceram depois de o tutor apresentar sinais. O outro gato da casa permaneceu assintomático. O segundo gato positivo é da região de Long Island (Nassau County) e tem acesso à rua. Ninguém na casa apresentou sinais clínicos. Os últimos exames laboratoriais nos dois gatos demonstraram que eles desenvolveram anticorpos, estão eliminando a infecção e devem ter recuperação completa. 16, 17 e 18
30/04/2020 Ile-de-France, França 1 animal 1 gato com sinais respiratórios e gastrintestinais leves testou positivo na RT-PCR de amostras retais. As amostras oronasais foram negativas. Esse gato é parte de um estudo com gatos de tutores com Covid-19. Esse é o único gato que teve resultados positivos. Não foi relatado o número total de gatos testados. 19 e 20
08/05/2020 Barcelona, Espanha 1 animal 1 gato macho de 4 anos de idade pertencente a uma família com pessoas doentes com Covid-19. O animal foi atendido por apresentar sérias dificuldades respiratórias, temperatura retal de 38,2ºC, trombocitopenia e insuficiência cardiorrespiratória aguda. Foi submetido a eutanásia e a necropsia revelou cardiomiopatia hipertrófica e insuficiência cardíaca com edema pulmonar. Amostras colhidas na cavidade nasal e no linfonodo mesentérico foram positivas na RT-PCR para SARS-CoV-2. A carga viral foi baixa. O coronavírus foi provavelmente um achado incidental não relacionado com os sinais clínicos 21 e 22
12/05/2020 Bordeuaux, França 1 animal O gato apresentou problemas respiratórios e foi examinado várias vezes por um médico-veterinário. O Animal apresentou tosse que persistiu apesar do tratamento. O vírus foi detectado por RT-PCR em amostra nasofaríngea. Os swab retais foram negativos. Outras análises estão em andamento para caracterizar o vírus 23 e 24
13/05/2020 Baviera, Alemanha 1 animal Gata de 6 anos assintomática foi positiva para SARS-CoV-2 na RT-PCR da amostra nasofaríngea. Seu tutor havia morrido de Covid-19. Os outros 2 gatos foram negativos. Swabs de faringe foram novamente obtidos 6 dias depois e continuaram positivos. Dois outros gatos negativos da mesma residência testaram negativo nas duas oportunidades. Os gatos foram isolados e até o dia 6 de maio não haviam desenvolvido sinais clínicos 25

Figura 1 — Relatos de casos naturais de SARS-CoV-2 diagnosticado por identificação do RNA viral por RT-PCR em gatos. Atualizado em 25/05/20.

Cães

O que já sabíamos

– Cães jovens podem ser infectados experimentalmente por via intranasal 4:

  • Cães são mais refratários à infecção que gatos:

    . Não eliminaram o vírus por via orofaríngea; RNA viral foi encontrado em swabs retais;

    . Vírus infectante não pôde ser obtido dessas amostras;

    . RNA viral não foi encontrado em nenhum órgão na necropsia;

    . Cães desenvolveram anticorpos neutralizantes;

    . Não transmitiram a doença para outros cães;

– Infecção natural por SARS-CoV-2 foi identificada em apenas três cães 1,2,3,26,27:

  • Apenas um desses cães apresentou sinais respiratórios leves que não se sabe se eram decorrentes da infecção ou apenas coincidência;

  • Dois cães desenvolveram anticorpos neutralizantes e em um destes cães foi possível isolar o vírus;

  • Nos dois casos provenientes de Hong Kong, o genoma do vírus está disponível 26. O vírus desses cães teve homologia perfeita, ou quase perfeita (divergência em 3 nucleotídeos), com a dos tutores ou pessoas que viviam na mesma residência. As sequências virais das duas famílias foram diferentes, o que sustenta a suposição que os cães foram infectados pelos tutores nos dois casos;

  • Um bulldog americano de oito anos de idade apresentou anticorpos contra o SARS-CoV-2 7. O tutor havia sido diagnosticado anteriormente com Covid-19. O cão apresentou problemas respiratórios e foi submetido à eutanásia devido ao agravamento do quadro 7. O vírus SARS-CoV-2 não foi encontrado nas amostras enviadas ao laboratório e não é possível concluir se os sinais desse cão eram decorrência de Covid-19.

 

O que aconteceu na última semana

Um estudo analisando a estrutura de raios-X da ACE2 humana quando ligada ao domínio de ligação ao receptor (RBD) da proteína S (“spike”) do SARS-CoV-2 previu a possibilidade de ligação do RBD às proteínas ACE2 de diferentes espécies 28. Esse estudo também analisou a expressão de ACE2 em diferentes órgãos no cão e pode ter explicado porque o cão é mais resistente a infecção por SARS-CoV-2 que o gato. A ACE2 do cão diverge da do gato em apenas um resíduo e deveria ter praticamente a mesma afinidade com o RBD do SARS-CoV-2 que a ACE2 de gatos 28. Cães, porém, são menos permissivos à infecção por SARS-CoV-2 que gatos, e os cães não transmitiram o vírus a animais suscetíveis em contato próximo 4. Foi verificado que a maior expressão de ACE2 nos cães ocorre nos rins e há muito pouca expressão no trato respiratório 28. Assim, mesmo prevendo que o ACE2 do cão possa interagir com o SARS-CoV-2, esses receptores têm pouca expressão em órgãos que tenham contato com o ambiente externo. Os níveis relativos de RNAm nos tecidos relevantes para a infecção por SARS-CoV-2, como os do pulmão, traqueia e cornetos, são 1.000 vezes menores que os dos rins de cães. Muito importante, nenhum RNAm foi detectado nos cornetos em cães, o primeiro ponto de contato do corpo com o SARS-CoV-2 28. Em um estudo recente em pessoas, a expressão nasal do gene ACE2 foi mais baixa em crianças jovens e aumentou gradativamente com a idade 29. Esse pode ser um possível fator relacionado às menores taxas de infecção por SARS-CoV-2 em crianças 30. A conclusão que fica é que é “tentador especular que os baixos níveis de ACE2 no trato respiratório previnem a replicação eficiente do vírus em cães” 28.

Os casos de infecção natural em cão nos quais foi detectada a presença de antígeno estão descritos na figura 2.

Data Local Quantidade Descrição Ref.
26/02/2020 Hong Kong, China 1 animal Cão spitz alemão de 17 anos e assintomático foi colocado em quarentena após hospitalização de seu tutor por Covid-19. Amostras em swab nasal e oral testaram positivo para SARS-CoV-2 em RT-PCR. Não foi possível realizar o isolamento viral, mas o cão seroconverteu. Dias após o animal testar negativo para SARS-CoV-2 em RT-PCR e ter sido liberado da quarentena, ele foi a óbito por causa indeterminada. A causa da morte não foi considerada associada ao vírus. A sequência genética do vírus do cão foi quase idêntica a dos membros da residência 26 e 27
18/03/2020 Hong Kong, China 1 animal Cão pastor-alemão de dois anos e assintomático testou positivo para SARS-CoV-2 em RT-PCR em amostras orais, nasais e retais durante 2 dias. O vírus foi isolado e o cão apresentou anticorpos. Outro cão da casa foi também testado e os resultados foram sempre negativos 26 e 27
28/04/2020 Cidade de Chapel Hill, Carolina do Norte, EUA 1 animal Cão pug com sinais respiratórios e anorexia. Três pessoas na casa eram positivas para Covid-19. O cão foi testado porque a família fazia parte de um estudo de vigilância domiciliar coordenado por pesquisadores da Duke University. Outro cão, um gato e um lagarto da residência foram negativos para SARS-CoV-2. 38

Figura 2 — Relatos de casos naturais de SARS-CoV-2 diagnosticado por identificação do RNA viral por RT-PCR em cães . Atualizado em 25/05/20

Mustelídeos

O que já sabíamos 1,2,3

– Ferrets podem ser infectados experimentalmente por via intranasal 4,33,34:

  • Podem desenvolver sinais clínicos ou permanecer assintomáticos;

  • Eliminam o vírus por via retal e orofaríngea;

  • Desenvolvem anticorpos neutralizantes;

  • Infectam outros ferrets por contato direto e indireto;

– Infecção natural por SARS-CoV-2 foi identificada em visons 35,36:

  • Visons podem desenvolver sinais clínicos ou ter infecção assintomática:

    . Sinais respiratórios, gastrintestinais, óbito;

    . Fêmeas prenhas têm risco aumentado;

  • Surto em quatro fazendas de produção de visons:

    . Morbidade e mortalidade baixas;

    . Baixa da produção, perda de animais;

    . Fêmeas prenhes têm risco maior;

    . Transmissão entre animais direta e indiretamente;

    . Vírus já está circulando nas granjas há várias semanas;

    . Sequência genética do vírus nos visons é diferente das que estão circulando em pessoas na Holanda.

 

O que ocorreu na última semana

O governo holandês confirmou que visons podem ser infectados pelo SARS-CoV-2 e não apresentar sinais clínicos 8. Isso já era implícito nos relatórios anteriores 7, nos quais animais positivos sem sinais clínicos já haviam sido identificados em uma fazenda sem casos clínicos. Esse estabelecimento foi investigado por pertencer ao mesmo proprietário de duas outras fazendas afetadas. O relatório de 19 de maio de 2020 apenas confirma essa suspeita 8.

Os casos de infecção natural em outras espécies em que foi detectada a presença de antígeno estão descritos na figura 3.

Data Local Espécie / n Descrição Ref.
04/04/2020 Cidade de Nova York, EUA Tigresa-malaias (Panthera tigris tigres)
– 2 animais
Tigresa-malaia do zoológico do Bronx apresentou tosse seca e testou positivo para SARS-CoV-2 em RT-PCR de amostras nasais e traqueais. A irmã dessa tigresa também apresentou sinais clínicos e foi diagnosticada com SARS-CoV-2 em RT-PCR nas fezes na semana seguinte. Apesar de irmãs, elas vivem em recintos distintos no mesmo prédio. Os animais melhoraram e se espera que tenham recuperação completa. 37, 38, 39 e 40
04/04/2020 Cidade de Nova York, EUA Tigres-siberianos (Panthera tigris altaica) –
3 animais
Dois tigres siberianos apresentaram tosse seca e testaram positivo para SARS-CoV-2 em RT-PCR das fezes. Um outro tigre siberiano em recinto distinto do mesmo prédio não apresentou sinais, mas também foi positivo na RT-PCR das fezes. Os 2 animais sintomáticos melhoraram e se espera que tenham recuperação completa. 38, 39 e 40
04/04/2020 Cidade de Nova York, EUA Leões-africanos (Panthera leo) –
3 animais
Três leões africanos apresentaram tosse seca e testaram positivo para SARS-CoV-2 em RT-PCR das fezes. Esses leões vivem separados em um recinto distante do dos tigres. Eles ocasionalmente interagem. Os animais melhoraram e se espera que tenham recuperação completa. 38, 39, 40 e 41
26/04/2020 5 fazendas de visons em North Brabant, Holanda Vison (Neovison vison) – número total não divulgado Animais de cinco fazendas de vison apresentaram sinais gastrintestinais, respiratórios e óbitos e testaram positivo para SARS-CoV-2 em RT-PCR. Está ocorrendo transmissão entre os visons. A morbilidade e a mortalidade são baixas, e fêmeas prenhas parecem apresentar maior risco. Esses relatos estão ocorrendo na época anual de parição nas fazendas de visons do hemisfério norte (abril e maio). 7,  8, 42 e 43

Figura 3 — Relatos de casos naturais de SARS-CoV-2 diagnosticado por identificação do RNA viral por RT-PCR em outras espécies. Atualizado em 25/05/20

Outras espécies

O que já sabíamos 1,2

As seguintes espécies podem ser infectadas experimentalmente:

  • Hamster 44:

    . Inoculados por via intranasal, apresentam sinais, desenvolvem anticorpos neutralizantes e transmitem para outros hamsters;

  • Coelhos 42,43:

    . Detalhes sobre o estudo ainda não estão disponíveis;

  • Macaco-rhesus 45-51:

    . Inoculados por via intranasal, intratraqueal, oral e ocular, apresentam sinais e desenvolvem anticorpos neutralizantes;

    . Não podem ser reinfectados algumas semanas após a exposição inicial;

  • Macaco-cynomolgus 50,51:

    . Inoculados por via intratraqueal e conjuntival, apresentam sinais e desenvolvem anticorpos neutralizantes;

  • Saguis 51:

    . Inoculados por via intranasal, não apresentam sinais clínicos, não se sabe se desenvolvem anticorpos neutralizantes. Mais resistentes à infecção experimental que macaco-rhesus e macaco-cynomolgus 51;

– As seguintes espécies não puderam ser infectadas experimentalmente por via intranasal;

  • Camundongos 52;

  • Porcos 4;

  • Galinhas 4;

  • Patos 4.

 

O que ocorreu na última semana

Hamsters

Já era sabido que os hamsters são suscetíveis ao SARS-CoV-2 44. Isso foi confirmado em mais um estudo 53. Foram avaliadas a transmissão direta: cada hamster foi inoculado e depois alojado com um hamster suscetível por 24 horas; e a transmissão indireta: doadores e contactantes suscetíveis expostos por aerossóis foram colocados em duas gaiolas próximas por 8 horas. O SARS-CoV-2 foi detectado nos 3 hamsters co-alojados e nos 3 com contato via aerossóis 1 dia após o contato. O pico de carga viral nos lavados nasais ocorreu 2 dias depois 53. Além disso, em ambas as situações, os contactantes eliminaram uma quantidade de vírus nos lavados nasais, semelhante à dos hamsters doadores 53.

 

Macaco-rhesus

Uma das perguntas-chave ainda não respondidas na Covid-19 é se a infecção pelo SARS-CoV-2 resulta em imunidade protetora. Um segundo estudo demonstrou que isso ocorre em macacos-rhesus 54. Após o desafio viral inicial, os animais foram novamente inoculados com SARS-CoV-2 e apresentaram redução na carga viral no lavado broncoalveolar e na mucosa nasal em comparação com os da infecção primária. As respostas imunes anamnésticas após novos desafios sugeriram que a proteção foi mediada pelo controle imunológico. Como já identificado anteriormente 48, a infecção por SARS-CoV-2 induziu imunidade protetora contra a reexposição em macacos-rhesus 54.

 

Macaco-verde-africano (Chlorocebus aethiops)

Macacos-verdes-africanos foram suscetíveis à infecção experimental por SARS-CoV-2 por via intranasal e intratraqueal 55. Não é surpresa porque essa espécie também foi suscetível ao vírus da SARS, que utiliza o mesmo receptor para entrar na célula 56. Os únicos sinais clínicos apresentados pelos macacos foram anorexia e hipertermia leve, porém pneumonia viral pronunciada foi identificada à necropsia. Vírus infectante foi identificado em amostras nasais e no lavado traqueal de todos os animais, enquanto vírus infectante foi isolado de amostras orais de 3 dos 6 animais e em swab retal de 1. Os animais desenvolveram anticorpos neutralizantes 55.

 

Porcos

Com base nas análises estruturais e na sequência de aminoácidos, a proteína ACE2 de porco deveria ser capaz de funcionar como receptor para o SARS-CoV-2 57. Além disso, as células porcinas podem ser infectadas in vitro com SARS-CoV-2 58. No entanto, os porcos são resistentes à infecção 4. Recentemente foi demonstrado que porcos têm pouca expressão da ACE2 no trato respiratório 28. Assim, mesmo que a sua ACE2 possa interagir com o SARS-CoV-2, não está acessível. Os níveis relativos de RNAm nos pulmões, traqueia e cornetos são 10.000 vezes menores do que nos rins 28. Os baixos níveis de ACE2 no trato respiratório podem explicar por que porcos não podem ser infectados experimentalmente por via intranasal. Diferente do cão, porcos têm alta expressão da ACE2 no duodeno 28. Essa expressão no intestino pode representar uma possível via alternativa para a entrada viral.

 

Transmissão

O que já sabíamos 1,2,3

– As seguintes espécies transmitem o vírus experimentalmente para outros membros da mesma espécie:

  • Gatos 4

  • Ferrets 4,33,34

  • Hamsters 44

– Os visons transmitem o vírus para outros visons em condições naturais 7,8

 

O que ocorreu na última semana

Transmissão por fômites

Para determinar a importância da transmissão via fômites, um estudo comparou transmissão direta, indireta e por fômites em hamsters 53. As transmissões direta e indireta já foram descritas acima na seção sobre outras espécies. Na transmissão por fômites, um hamster inoculado foi mantido em uma gaiola por 2 dias 53. O animal doador foi removido e um animal suscetível foi alojado em cada gaiola contaminada por 48 horas. Os hamsters suscetíveis foram então transferidos para novas gaiolas no terceiro dia. O RNA viral foi detectado em diferentes superfícies nas gaiolas contaminadas usadas para abrigar os contactantes 53. Foram detectados baixos títulos de vírus infecciosos na cama (2 dias após a infecção), na superfície lateral da gaiola (4 dias após a infecção) e no bocal da garrafa de água (4 dias após a infecção). Somente um dos três contactantes via fômite eliminou vírus infeccioso nos lavados nasais a partir do primeiro dia, com o pico de carga viral detectado no terceiro dia. Na transmissão por aerossóis, os 3 hamsters contactantes adquiriram o vírus 53. Esses resultados sugerem que a transmissão do SARS-CoV-2 entre hamsters foi mediada mais por aerossóis do que por fômites.

 

Transmissão por animais imunossuprimidos

Um grupo de ferrets em um estudo terapêutico com animais experimentalmente infectados com SARS-CoV-2 foi tratado com azatioprina para induzir imunossupressão 59. Os resultados do estudo terapêutico são difíceis de interpretar e não podem ser extrapolados para uso clínico em ferrets 59. A eliminação de vírus infectante por via nasal durou até o oitavo dia em animais recebendo placebo ou uma das medicações testadas 59. Em 3 dos 4 ferrets recebendo azatioprina, o vírus infectante foi encontrado nas amostras nasais até o décimo dia. Isso sugere que ferrets imunocomprometidos podem eliminar o vírus nas secreções respiratórias por um período maior de tempo 59 e configurar um risco maior de transmissão para outros animais.

 

Transmissão interespécies

O Ministério da Agricultura, Natureza e Qualidade dos Alimentos da Holanda está considerando a possibilidade que visons terem infectado os gatos de uma das propriedades, e que estes gatos teriam disseminado o vírus para uma das granjas vizinhas 7,8. Se confirmado, será o primeiro caso de transmissão interespécies domésticas: de visons para gatos e subsequentemente, de gatos para visons. Essa teoria só poderá ser confirmada se o vírus em um dos gatos for sequenciado. Dos 11 gatos examinados até agora, apenas 3 tinham desenvolvido anticorpos neutralizantes, e nenhum deles estava excretando o vírus 8.

 

Transmissão para pessoas

De acordo com o governo holandês, é possível que um funcionário de uma das empresas de vison infectadas com SARSCoV-2 tenha sido infectado por um vison 8. A sequência do genoma dos vírus dos visons é diferente de todos o vírus SARS-CoV-2 que circulam em pessoas na Holanda 7. Esse funcionário foi a primeira pessoa com um vírus geneticamente similar ao dos visons. Ele foi contaminado antes que se soubesse que os visons estavam com Covid-19 8. Se confirmado, será a primeira transmissão documentada de um animal doméstico para uma pessoa. Mais informações sobre este caso devem ser liberadas nas próximas semanas.

 

Considerações finais

Com o progredir do conhecimento, a possibilidade de transmissão interespécies fica mais aceitável a cada dia. Biologicamente, não deveria causar surpresa. Se um gato pode transmitir para outro gato, e um vison pode transmitir para outro vison, é concebível que um vison possa transmitir o vírus para um gato. A conclusão final do trabalho anterior 1, sem os visons, ainda permanece válida: “Mesmo sabendo que gatos e furões podem infectar animais em condições laboratoriais, não temos nenhuma evidência de que cães, gatos ou furões possam transmitir SARS-CoV2 a outros animais ou seres humanos fora do laboratório, seja como fonte de fômites ou eliminando o vírus.” As evidências para transmisão entre visons e pessoas ainda são circunstanciais. Saberemos nas próximas semanas se elas são ou não convincentes.

 

Referências

01-DELAI, R. R. ; KMETIUK, L. B. ; SANTOS, A. P. ; BIONDO, A. W. ; DE MORAIS, H. A. O novo coronavírus e os animais de companhia. Clínica Veterinária v. 35, n. 146, p. 20-32. 2020.

02-DE MORAIS, H. A. O novo coronavírus e os animais de companhia – Atualização de 11 de maio de 2020. 11-05-2020. Disponível em: <https://www.revistaclinicaveterinaria.com.br/blog/atualizacao-11-de-maio-novo-coronavirus-e-os-animais-de-companhia/>. Acesso em 12 de maio de 2020.

03-DE MORAIS, H. A. O novo coronavírus e os animais de companhia – Atualização de 17 de maio de 2020. 17-05-2020. Disponível em: https://www.revistaclinicaveterinaria.com.br/blog/atualizacao-17-de-maio-de-2020-o-novo-coronavirus-e-os-animais-de-companhia/>. Acesso em 18 de maio de 2020

04-SHI, J. ; WEN, Z. ; ZHONG, G. ; YANG, H. ; WANG, C. ; HUANG, B. ; LIU, R. ; HE, X. ; SHUAI, L. ; SUN, Z. ; ZHAO, Y. ; LIU, P. ; LIANG, L. ; CUI, P. ; WANG, J. ; ZHANG, X. ; GUAN, Y. ; TAN, W. ; WU, G. ; CHEN, H. ; BU, Z. Susceptibility of ferrets, cats, dogs, and other domesticated animals to SARS-coronavirus 2. Science, n. 7015, 2020. doi: 10.1126/science.abb7015

05-HALFMANN, P. J. ; CHIBA, S. ; MAEMURA, T. ; FAN, S. ; TAKEDA, M. ; KINOSHITA, N. ; HATTORI, S. ; SAKAI-TAGAWA, Y. ; IWATSUKI-HORIMOTsO, K. ; KAWAOKA, Y. Transmission of SARS-CoV-2 in domestic cats. New England Journal of Medicine. 2020. DOI: 10.1056/NEJMc2013400

06-ZHANG, Q. ; ZHANG, H. ; HUANG, K. ; YANG, Y. ; HUI, X. ; GAO, J. ; HE, X. ; LI, C. ; GONG, W. ; ZHANG, Y. ; PENG, C. ; GAO, X. ; CHEN, H. ; ZOU, Z. ; SHI, Z. ; JIN, M. SARS-CoV-2 neutralizing serum antibodies in cats: a serological investigation. BioRxiv, 2020. DOI: 10.1101/2020.04.01.021196

07-SCHOUTEN, C. Minister van Landbouw, Natuur en Voedselkwaliteit. Minsiter Schouten informeert de Tweede Kamer over de stand van zaken rond COVID-19 en (landbouw)huisdieren. 05-15-2020. Disponível em: <https://www.rijksoverheid.nl/ministeries/ministerie-van-landbouw-natuur-en-voedselkwaliteit/documenten/kamerstukken/2020/05/15/kamerbrief-over-corona-bij-dieren>. Acesso em 16 de maio de 2020.

08-SCHOUTEN, C. Minister van Landbouw, Natuur en Voedselkwaliteit. Stand van zaken onderzoek Covid-19 naar nertsenbedrijven. 19-05-2020. Disponível em: <https://www.rijksoverheid.nl/ministeries/ministerie-van-landbouw-natuur-en-voedselkwaliteit/documenten/brieven/2020/05/19/stand-van-zaken-onderzoek-covid-19-naar-nertsenbedrijven>. Acesso em 20 de maio de 2020.

09-LAM, TT-Y. ; HON, C-C. ; PYBUS, O. G. ; KOSAKOVSKY POND, S. L. ; WONG, RT-Y. ; YIP, C-W. ; ZENG, F. ; LEUNG, FC-C. Evolutionary and transmission dynamics of reassortant H5N1 influenza virus in Indonesia. PLoS Pathogens, v. 4, n. 8, p. e1000130, 2008.

10-RIMMELZWAAN, G. F. ; VAN RIEL, D. ; BAARS, M. ; BESTEBROER, T. M. ; VAN AMERONGEN, G. ; FOUCHIER, R. A. M. ; OSTERHAUS, A. D. M. E. ; KUIKEN T. Influenza A virus (H5N1) infection in cats causes systemic disease with potential novel routes of virus spread within and between hosts. American Journal of Pathology, v. 168, n. 1, p. 176-183, 2006.

11-PROMED INTERNATIONAL SOCIETY FOR INFECTIOUS DISEASES. COVID-19 update (58): Belgium, animal, cat, clinical case, RFI (27-03-2020). Disponível em: <https://promedmail.org/promed-post/?id=20200327.7151215>. Acesso em 1 de abril de 2020.

12-WORLD ORGANISATION FOR ANIMAL HEALTH. OIE. Information provided by the National Veterinary Services of Belgium (28/03/2020). OIE, 2020. Disponível em: <https://www.oie.int/fileadmin/Home/eng/Our_scientific_expertise/docs/pdf/COV-19/Belgium_28.03.20.pdf>. Acesso em 3 de maio de 2020.

13-The Government of the Hong Kong Special Administrative Region – Press Releases. 2020. Pet cat tests positive for COVID-19. Disponível em: https://www.info.gov.hk/gia/general/202003/31/P2020033100717.htm. Acesso em 14 de abril de 2020.

14-WORLD ORGANISATION FOR ANIMAL HEALTH. OIE. SARS-CoV-2 positive test in cat in Hong Kong: Immediate notification (03/04/2020). OIE, 2020. Disponível em: <https://www.oie.int/wahis_2/public/wahid.php/Reviewreport/Review?page_refer=MapFullEventReport&reportid=33832≥. Acesso em 13 de abril de 2020.

15-WORLD ORGANISATION FOR ANIMAL HEALTH. OIE. SARS-CoV-2 positive test in cat in Hong Kong: Follow-up report no.1 – Final report (04/05/2020). OIE, 2020. Disponível em: <https://www.oie.int/wahis_2/public/wahid.php/Reviewreport/Review?reportid=34221>. Acesso em 17 de maio de 2020.

16-United States Agency for International Development. Confirmation of COVID-19 in two pet cats in New York. USAID, 2020. Disponível em: <https://www.aphis.usda.gov/aphis/newsroom/news/sa_by_date/sa-2020/sars-cov-2-animals> Acesso em 15 de maio de 2020.

17-WORLD ORGANISATION FOR ANIMAL HEALTH. OIE. SARS-CoV-2 positive test results in cats in the US: Follow-up report No. 2. (22/04/2020). OIE, 2020. Disponível em: <https://www.oie.int/wahis_2/public/wahid.php/Reviewreport/Review?reportid=34086>. Acesso em 15 de maio de 2020.

18-WORLD ORGANISATION FOR ANIMAL HEALTH. OIE. SARS-CoV-2 positive test results in cats in the US: Follow-up report No. 3. (29/04/2020). OIE, 2020. Disponível em: <https://www.oie.int/wahis_2/public/wahid.php/Reviewreport/Review?reportid=34169>. Acesso em 10 de maio de 2020.

19-ÉCOLE NATIONALE DE VÉTÉRIAIRE D’ALFORT: Communiqué de presse. Premier chat détecté porteur du SRAS-Cov-2 en France: la transmission de l’Homme au chat est rare mais la distanciation est recommandée (02-05-2020). 2020. Disponível em: <https://www.vet-alfort.fr/images/Communication/CP/2020-05-01_-_CP_Chat_SRAS-cov2.pdf>. Acesso em 14 de maio de 2020.

20-PROMED INTERNATIONAL SOCIETY FOR INFECTIOUS DISEASES. Coronavirus Disease 2019 update (149): France, Ile-de-France, cat, owned. 01-05-2020. Disponível em: <https://promedmail.org/promed-post/?id=7289409>. Acesso em 16 de maio de 2020.

21-UNIVERSITAT AUTÒNOMA DE BARCELONA: Detectan el primer gato infectado con el nuevo coronavirus en el Estado español. UAB, 08-05-2020. Disponível em: <https://www.uab.cat/web/sala-de-prensa/detalle-noticia/detectan-el-primer-gato-infectado-con-el-nuevo-coronavirus-en-el-estado-espanol-1345667994339.html?noticiaid=1345812407480> Acesso em 10 de maio de 2020.

22-PROMED INTERNATIONAL SOCIETY FOR INFECTIOUS DISEASES. COVID-19 update (177): Netherlands (NB) animal, farmed mink, Spain (CT) cat susp. 12-05-2020. Disponível em: <https://promedmail.org/promed-post/?id=7328587>. Acesso em 14 de maio de 2020.

23-ÉCOLE NATIONALE DE VÉTÉRIAIR DE TOULOUSE: Communiqué de presse. Covid-19: un 2ème chat détecté porteur du SARS-Cov-2 en France, à Bordeaux (12-05-2020). 2020. Disponível em: <http://www.envt.fr/sites/www.envt.fr/files/files/services/cp_covid_chat_12mai2020.pdf>. Acesso em 15 de maio de 2020.

24-PROMED INTERNATIONAL SOCIETY FOR INFECTIOUS DISEASES. COVID-19 update (158): France (Île-de-France,N-Aquitaine) animal, cat, nat inf. 13-05-2020. Disponível em: <https://promedmail.org/promed-post/?id=7330110>. Acesso em 14 de maio de 2020.

25-PROMED INTERNATIONAL SOCIETY FOR INFECTIOUS DISEASES. COVID-19 update (181): Germany (BY), France (AC), cat, OIE animal case defin. 13-05-2020. Disponível em: <https://promedmail.org/promed-post/?id=7332909>. Acesso em 14 de maio de 2020.

26-SIT, T. H. C. ; BRACKMAN, C. J. ; IP, S. M. ; TAM, K. W. S. ; LAW, P. Y. T. ; TO, E. M. W. ; YU, V. Y. T. ; SIMS, L. D. ; TSANG, D. N. C. ; CHU, D. K. W. ; PERERA, R. A. P. M ; POON, L. M. ; PEIRIS, M. Infection of dogs with SARS-CoV-2. Nature, 2020. https://doi.org/10.1038/s41586-020-2334-5

27-SIT, T. H. C. ; BRACKMAN, C. J. ; IP, S. M. ; TAM, K. W. S. ; LAW, P. Y. T. ; TO, E. M. W. ; YU, V. Y. T. ; SIMS, L. D. ; TSANG, D. N. C. ; CHU, D. K. W. ; PERERA, R. A. P. M. ; POON, L. L. M. ; PEIRIS, M. Canine SARS-CoV-2 infection. Nature Research, 2020. preprint. doi: 10.21203/rs.3.rs-18713/v1

28-ZHAI, X. ; SUN, J. ; YAN, Z. ; ZHANG, J. ; ZHAO, J. ; ZHAO, Z. ; GAO, Q. ; HE, W-T. ; VEIT, M. ; SU, S. Comparison of SARS-CoV-2 spike protein binding to ACE2 receptors from human, pets, farm animals, and putative intermediate hosts. Journal of Virology, 13 de maio 2020.

29-BUNYAVANICH, S. ; DO, A. ; VICENCIO, A. Nasal gene expression of angiotensin-converting enzyme 2 in children and adults. Journal of the American Medical Association, 20 maio 2020. doi:10.1001/jama.2020.8707

30-PATEL, A. B. ; VERMA, A. Nasal ACE2 Levels and COVID-19 in children. Journal of the American Medical Association, 20 maio 2020. doi:10.1001/jama.2020.8946

31-WRAL.COM. Chapel Hill pug tests positive for coronavirus; first known dog case in the US. 27-04-2020. Disponível em: <https://www.wral.com/coronavirus/pug-with-coronavirus-first-dog/19074499/>. Acesso em 17 de maio de 2020.

32-DUKE DEPARTMENT OF PEDIATRICS. Pug in North Carolina tests positive for the coronavirus, researchers say. 01-05-2020. Disponível em: <https://pediatrics.duke.edu/news/pug-north-carolina-tests-positive-coronavirus-researchers-say>. Acesso em 17 de maio de 2020.

33-KIM, Y. I. ; KIM, S-G. ; KIM, S-M. ; KIM, E-H. ; PARK, S. J. ; YU, K. M. ; CHANG, J. H. ; KIM, E, J. ; LEE, S. ; CASEL, M. A. B. ; UM, J. ; SONG, M. S. ; JEONG, H. W. ; LAI, V. D. ; KIM, Y. ; CHIN, B. S. ; PARK, J-S. ; CHUNG, K-H. ; FOO, S-S. ; POO, H. ; M, I. P. ; LEE, O. J. ; WEBBY, R. J. ; JUNG, J. U . ; CHOI, Y, K. Infection and Rapid Transmission of SARS-CoV-2 in ferrets. Cell Host & Microbe. 2020, 27, p. 1-6. https://doi.org/10.1016/j.chom.2020.03.023

34-RICHARD, M. ; KOK, A. ; MEULDER, D. ; BESTEBROER, T. M. ; LAMERS, M. M. ; OKBA, N. M. ; VLISSINGEN, M. F. V. ; ROCKX, B. ; HAAGMANS, B. L. ; KOOPMANS, M. L. P. ; KOOPMANS, M. P. ; FOUCHIER, R. A. SARS-CoV-2 is transmitted via contact and via the air between ferrets. Nature Communications. 2020. Under consideration. https://nature-research-under-consideration.nature.com/users/37265-nature-communications/posts/66580-sars-cov-2-is-transmitted-via-contact-and-via-the-air-between-ferrets

35-PROMED INTERNATIONAL SOCIETY FOR INFECTIOUS DISEASES. COVID-19 update (189): Netherlands (NB) animal, farmed mink, research, cat, dog (17-05-2020). Disponível em: <https://promedmail.org/promed-post/?id=7344274>. Acesso em 17 de maio de 2020.

36-PROMED INTERNATIONAL SOCIETY FOR INFECTIOUS DISEASES. COVID-19 update (177): Netherlands (NB) animal, farmed mink, Spain (CT) cat susp. 12-05-2020. Disponível em: <https://promedmail.org/promed-post/?id=7328587> Acesso em 17 de maio de 2020.

37-World Organisation for Animal Health. SARS-CoV-2 positive test result in a in tiger in the USA (06/04/2020). OIE, 2020. Disponível em: https://www.oie.int/wahis_2/public/wahid.php/Reviewreport/Review?page_refer=MapFullEventReport&reportid=33885. Acesso em 24 de abril de 2020.

38-WCS News Room. Update: Bronx zoo tigers and lions recovering from COVID-19. 2020. Disponível em: <https://newsroom.wcs.org/News-Releases/articleType/ArticleView/articleId/14084/Update-BronxZoo-Tigers-and-Lions-Recovering-from-COVID-19.aspx> Acesso em 24 de abril de 2020.

39-LAU, E. VIN NEWS SERVICE. Tigers, lions and the novel coronavirus: a discovery unfolding. 2020. Disponível em: <https://news.vin.com/default. aspx?pid=210&Id=9613371> Acesso em 24 de abril de 2020.

40-WCS News Room. Update on the Bronx zoo on tiger which tested positive for COVID-19: Nadia’s condition improving – along with the condition of the other tigers and lions which had similar symptoms. 2020. Disponível em: <https://newsroom.wcs.org/NewsReleases/articleType/ArticleView/articleId/14023/Update-On-the-Bronx-Zoo-on-Tiger-Which-TestedPositive-for-COVID-19-Nadias-Condition-ImprovingAlong-with-the-Condition-of-the-Other-Tigers-andLions-Which-Had-Similar-Symptoms.aspx> Acesso em 24 de abril de 2020.

41-WORLD ORGANISATION FOR ANIMAL HEALTH. SARS-CoV-2 positive test result in a lion in the USA. Follow-up report No. 2 (22/04/2020). OIE, 2020. Disponível em: <https://www.oie.int/wahis_2/public/wahid.php/Reviewreport/Review?reportid=34054> Acesso em 24 de abril de 2020.

42-SCHOUTEN, C. Minister van Landbouw, Natuur en Voedselkwaliteit: Kamerbrief Stand van zaken corona en dieren. 2020. Disponível em: <https://www.rijksoverheid.nl/ministeries/ministerie-van-landbouw-natuur-en-voedselkwaliteit/documenten/kamerstukken/2020/05/08/kamerbrief-stand-van-zaken-corona-en-dieren>. Acesso em 9 de maio de 2020.

43-PROMED INTERNATIONAL SOCIETY FOR INFECTIOUS DISEASES. Coronavirus disease 2019 update (169): Netherlands (NB) animal, farmed mink, spread, rabbit susp (09-05-2020). Promedmail, 2020. Disponível em: <https://promedmail.org/promed-post/?id=7316646>. Acesso em 9 de maio 2020.

44-CHAN, J. F.-W. ; ZHANG, A. J. ; YUAN, S. ; POON, V. K.-M. ; CHAN, C. C.-S. ; LEE, A. C.-Y, ; CHAN, W.-M. ; FAN, Z. ; TSOI, H.-W. ; WEN, L. ; LIANG, R. ; CAO, J. ; CHEN, Y. ; TANG, K. ; LUO, C. ; CAI, J.-P. ; KOK, K.-H. ; CHU, H. ; CHAN, K.-H. ; SRIDHAR, S. ; CHEN, Z. ; CHEN, H. ; TO, K. K.-W. ; YUEN, K.-Y. Simulation of the clinical and pathological manifestations of Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) in golden Syrian hamster model: implications for disease pathogenesis and transmissibility. Clinical Infectious Diseases, v. 70, 2020. DOI: 10.1093/cid/ciaa325

45-YU, P. ; QI, F. ; XU, Y. ; LI, F. ; LIU, P. ; LIU, J. ; BAO, L. ; DENG, W. ; GAO, H. ; XIANG, Z. ; XIAO, C. ; LV, Q. ; GONG, S. ; LIU, J. ; SONG, Z. ; QU, Y. ; XUE, J. ; WEI, Q. ; LIU, M. ; WANG, G. ; WANG, S. ; YU, H. ; LIU, X. ; HUANG, B. ; WANG, W. ; ZHAO, L. ; WANG, H. ; YE, F. ; ZHOU, W. ; ZHEN, W. ; HAN, J. ; WU, G. ; JIN, Q. ; WANG, J. ; TAN, W. ; QIN, C. Age-related rhesus macaque models of COVID-19. Animal Models and Experimental Medicine, 2020, v. 3, p. 93-97. https://doi.org/10.1002/ame2.12108

46-DENG, W. ; BAO, L. ; GAO, H. ; XIANG, Z. ; QU, Y. ; SONG, Z. ; GONG, S. ; LIU, J. ; LIU, J. ; YU, P. ; QI, F. ; XU, Y. ; LI, F. ; XIAO, C. ; LV, Q. ; XUE, J. ; WEI, Q. ; LIU, M. ; WANG, G. ; WANG, S. ; YU, H. ; LIU, X. ; ZHAO, W. ; HAN, Y. ; QIN, C. Ocular conjunctival inoculation of SARS-CoV-2 can cause mild COVID-19 in Rhesus macaques. Nature Communications, under consideration, 2020. https://nature-research-under-consideration.nature.com/users/37265-nature-communications/posts/65322-ocular-conjunctival-inoculation-of-sars-cov-2-can-cause-mild-covid-19-in-rhesus-macaques

47-SHAN, C. ; YAO, Y. F. ; YANG, X. L. ; ZHOU, Y. W. ; WU, J. ; GAO, G. ; PENG, Y. ; YANG, L. ; HU, X. ; XIONG, J. ; JIANG, R. D. ; ZHANG, H. J. ; GAO, X. X. ; PENG, C. ; MIN, J. ; CHEN, Y. ; SI, H. R. ; ZHOU, P. ; WANG, Y. Y. ; WEI, H. P. ; PANG, W. ; HU, Z. F. ; LV, L. B. ; ZHENG, Y. T. ; SHI, Z. L. ; YUAN, Z. M. Infection with novel coronavirus (SARS-CoV-2) causes pneumonia in the Rhesus macaques. Nature Research, under consideration, 2020. https://www.researchsquare.com/article/rs-15756/v1

48-BAO, L. ; DENG, W.; GAO, H. ; XIAO, C. ; LIU, J. ; XUE, J. ; LV, Q. ; LIU, J. ; YU, P. ; XU, Y. ; QI, F. ; QU, Y. ; LI, F. ; XIANG, Z. ; YU, H. ; GONG, S. ; LIU, M. ; WANG, G. ; WANG, S. ; SONG, Z. ; ZHAO, Z. ; HAN, Y. ; ZHAO, L. ; LIU, X. ; WEI, Q. ; QIN, C. Reinfection could not occur in SARS-CoV-2 infected rhesus macaques. BioRxiv. 2020. preprint. https://doi.org/10.1101/2020.02.07.939389

49-MUNSTER, V. J. ; FELDMANN, F. ; WILLIAMSON, B. N. ; VAN DOREMALEN, N. ; PÉREZ-PÉREZ, L. ; SCHULZ, J. ; MEADE-WHITE, K. ; OKUMURA, A. ; CALLISON, J. ; BRUMBAUGH, B. ; AVANZATO, V. A. ; ROSENKE, R. ; HANLEY, P. W. ; SATURDAY, G. ; SCOTT, D. ; FISCHER, E. R. ; DE WIT, E. Respiratory disease and virus shedding in rhesus macaques inoculated with SARS-CoV-2. Nature, 2020. DOI: https://www.nature.com/articles/s41586-020-2324-7

50-ROCKX, B. ; KUIKEN, T. ; HERFST, S. ; BESTEBROER, T. ; LAMERS, M. M. ; OUDE-MUNNINK, B. B. ; DE MEULDER, D. ; VAN AMERONGEN, G. ; VAN DEN BRAND, J. ; OKBA, N. M. A. ; SCHIPPER, D. ; VAN RUN, P. ; LEIJTEN, L. ; SIKKEMA, R. ; VERSCHOOR, E. ; VERSTREPEN, B. ; BOGERS, W. ; LANGERMANS, J. ; DROSTEN, C. ; FENTENER VAN VLISSINGEN, M. ; FOUCHIER, R. ; DE SWART, R. ; KOOPMANS, M. ; HAAGMANS, B. L. Comparative pathogenesis of COVID-19, MERS, and SARS in a nonhuman primate model. Science 17 Apr 2020: DOI: 10.1126/science.abb7314. https://science.sciencemag.org/content/early/2020/04/16/science.abb7314

51-LU, S. ; ZHAO, Y. ; YU, W. ; YANG, Y. ; GAO, J. ; WANG, J. ; KUANG, D. ; YANG, M. ; YANG, J. ; MA, C. ; XU, J. ; QIAN, X. ; LI, H. ; ZHAO, S. ; LI, J. ; WANG, H. ; LONG, H. ; ZHOU, J. ; LUO, F. ; DING, K. ; WU, D. ; ZHANG, Y. ; DONG, Y. ; LIU, Y. ; ZHENG, Y. ; LIN, X. ; JIAO, L. ; ZHENG, H. ; DAI, Q. ; SUN, Q. ; HU, Y. ; KE, C. ; LIU, H. ; PENG, X. Comparison of SARS-CoV-2 infections among 3 species of non-human primates. Preprint with The Lancet, 2020. preprint. https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3578773

52-BAO, L. ; DENG, W. ; HUANG, B. ; GAO, H. ; LIU, J. ; REN, L. ; WEI, Q. ; YU, P. ; XU, Y. ; QI, F. ; QU, Y. ; LI, F. ; LV, Q. ; WANG, W. ; XUE, J. ; GONG, S. ; LIU, M. ; WANG, G. ; WANG, S. ; SONG, Z. ; ZHAO, L. ; LIU, P. ; ZHAO, L. ; YE, F. ; WANG, H. ; ZHOU, W. ; ZHU, N. ; ZHEN, W. ; YU, H. ; ZHANG, X. ; GUO, L. ; CHEN, L. ; WANG, C. ; WANG, Y. ; WANG, X. ; XIAO, Y. ; SUN, Q. ; LIU, H. ; ZHU, F. ; MA, C. ; YAN, L. ; YANG, M. ; HAN, J. ; XU, W. ; TAN, W. ; PENG, X. ; JIN, Q. ; WU, G. ; QIN, C. The pathogenicity of SARS-CoV-2 in hACE2 transgenic mice, Nature. 2020. https://doi.org/10.1038/s41586-020-2312-y

53-SIA, S. F. ; YAN, L-M, ; CHIN, A. W. H. ; FUNG, K. ; CHOY, K-T. ; WONG, A. Y. L. ; KAEWPREEDEE, P. ; PERERA, R. A. P. M. ; POON, L. L. M. ; NICHOLLS, J. M. ; PEIRIS, M. ; YEN, H-L. Pathogenesis and transmission of SARS-CoV-2 in golden hamsters. Nature, 14 maio 2020

54-CHANDRASHEKAR, A. ; LIU, J. ; MARTINOT, A. J. ; MCMAHAN, K. ; MERCADO, N. B. ; PETER, L. ; TOSTANOSKI, L. H. ; YU J, MALIGA Z, NEKORCHUK M, BUSMAN-SAHAY K, TERRY, M. ; WRIJIL, L. M. ; DUCAT, S. ; MARTINEZ, D. R. ; ATYEO, C. ; FISCHINGER, S. ; BURKE, J. S. ; SLEIN, M. D. ; PESSAINT, L. ; VAN, R. Y. A. ; GREENHOUSE, J. ; TAYLOR, T. ; BLADE, K. ; COOK, A. ; FINNEYFROCK, B. ; BROWN, R. ; TEOW, E. ; VELASCO, J. ; ZAHN, R. ; WEGMANN, F. ; ABBINK, P. ; BONDZIE, E. A. ; DAGOTTO, G. ; GEBRE, M. S. ; HE, X. ; JACOB-DOLAN, C. ; KORDANA, N. ; LI, Z. ; LIFTON, M. A. ; MAHROKHIAN, S. H. ; MAXFIELD, L. F. ; NITYANANDAM, R. ; NKOLOLA, J. P. ; SCHMIDT, A. G. ; MILLER, A. D. ; BARIC, R. S. ; ALTER, G. ; SORGER, P. K. ; ESTES, J. D. ; ANDERSEN, H. ; LEWIS, M. G. ; BAROUCH, D. H. SARS-CoV-2 infection protects against rechallenge in rhesus macaques. Science, 20 de maio 2020.

55-WOOLSEY, C. ; BORISEVICH, V. ; PRASAD, A. N. ; AGANS, K. N. ; DEER, D. J. ; DOBIAS, N. S. ; HEYMANN, J. C. ; FOSTER, S. L. ; LEVINE, C. B. ; MEDINA, L. ; MELODY, K. ; GEISBERT, J. B. ; FENTON, K. A. ; GEISBERT, T. W. ; CROSS, R. W. Establishment of an African green monkey model for COVID-19. bioRxiv, preprint. p. 2020.05.17.100289, 17 de maio 2020.

56-SMITS, S. L. ; VAN DEN BRAND, J. M. A. ; DE LANG, A. ; LEIJTEN, L. M. E. ; VAN IJCKEN WF, VAN AMERONGEN G, OSTERHAUS ADME, ANDEWEG AC, HAAGMANS BL. Distinct severe acute respiratory syndrome coronavirus-induced acute lung injury pathways in two different nonhuman primate species. Journal of Virology, v. 85, n. 9, p. 4234-4245, 2011.

57-QIU, Y. ; ZHAO, Y. B. ; WANG, Q. ; LI, J. Y. ; ZHOU, Z. J. ; LIAO, C. H. ; GE, X. Y. Predicting the angiotensin converting enzyme 2 (ACE2) utilizing capability as the receptor of SARS-CoV-2. Microbes and Infection, 2020

58-ZHOU, P. ; YANG, X-L. ; WANG, X. G. ; HU, B. ; ZHANG, L. ; ZHANG, W. ; SI, H. R. ; ZHU, Y. ; LI, B. ; HUANG, C. L. ; CHEN, H. D. ; CHEN, J. ; LUO, Y. ; GUO. H. ; JIANG, R. D. ; LIU, M-Q. ; CHEN, Y. ; SHEN, X. R. ; WANG, X. ; ZHENG, X. S. ; ZHAO, K. ; CHEN, Q. J. ; DENG, F. ; LIU, L. L. ; YAN, B. ; ZHAN, F. X. ; WANG, Y. Y. ; XIAO, G. F. ; SHI, Z. L. A pneumonia outbreak associated with a new coronavirus of probable bat origin. Nature, v. 579, n. 7798, p. 270-273, 2020.

59-PARK, S-J. ; YU, K-M. ; KIM, Y-I. ; KIM, S-M. ; KIM, E-H. ; KIM, S-G. ; KIM, E. J. ; CASEL, M. A. B. ; ROLLON, R, ; JANG, S-G. ; LEE, M-H. ; CHANG, J-H. ; SONG, M-S. ; JEONG, H. W. ; CHOI, Y. ; CHEN, W. ; SHIN, W-J. ; JUNG, J. U. ; CHOI, Y. K. Antiviral efficacies of FDA-approved drugs against SARS-CoV-2 infection in ferrets. mBio, v. 11, n. 3, 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *