Diabetes em pets: novembro é dedicado à conscientização sobre a doença

ROYAL CANIN® aproveita para conscientizar tutores sobre o tema e o importante papel da nutrição no suporte ao tratamento do diabetes em gatos e cães
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Novembro é o mês da prevenção e controle do Diabetes Mellitus, uma doença endócrina bastante comum em humanos e que curiosamente nas últimas décadas tem sido mais incidente em gatos e cães. Nos animais, a doença está associada à deficiência absoluta ou relativa de insulina, ou ao desenvolvimento de resistência à insulina, o hormônio responsável pela regulação do metabolismo da glicose, que é a principal fonte de energia do organismo.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

O acompanhamento do Médico-Veterinário deve ser constante e associado a uma alimentação adequada e à administração correta dos medicamentos prescritos. Por outro lado, alguns fatores podem ser controlados pelo tutor, como a prevenção do sobrepeso e a obesidade do animal, o sedentarismo, a alimentação inadequada e até mesmo a saúde oral comprometida, uma vez que a periodontite é uma doença inflamatória crônica que pode estar associada às complicações da resistência à insulina.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Nos cães, a ocorrência mais comum é o Diabetes Mellitus insulino dependente (Tipo 1), em que o animal apresenta redução ou ausência da produção de insulina e, por isso, ele necessita da aplicação exógena da substância. Os sintomas mais característicos da doença são: sede excessiva, aumento do apetite e do volume de urina. Os cães afetados muitas vezes perdem peso, apesar do aumento de apetite. Outros sintomas podem incluir perda de visão, cansaço e fraqueza.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

A incidência do Diabetes Mellitus (DM) em cães vem crescendo nos últimos 10 anos. Diversos fatores podem estar associados ao surgimento desta doença. Cães com idades entre 4 e 14 anos, sendo o pico de prevalência entre 7 e 10 anos, e fêmeas não castradas apresentam maior risco para o desenvolvimento de diabetes. O DM juvenil (diabetes insulino-deficiente) ocorre em cães com menos de um ano de idade, porém é de ocorrência muito rara. Entre as raças que mais sofrem com a doença destacam-se Poodle, Schnauzer Miniatura, Yorkshire e Dachshund, já as raças Pastor Alemão, Golden Retriever e Boxer parecem apresentar baixo risco para desenvolver diabetes. O DM também é diagnosticado em cães sem raça definida.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Já no caso dos gatos, a maioria dos pacientes desenvolve Diabetes Mellitus insulino resistente (Tipo 2), semelhante ao tipo de diabetes mais frequentemente observado em humanos, na qual ocorre resistência insulínica. Os principais fatores predisponentes são a obesidade e a idade avançada. Entre os sintomas mais característicos está a necessidade de beber mais água que o normal e urinar mais, e fome constante sem ganho de peso. Além disso, os gatos quando estão doentes costumam ficar mais quietos que o habitual. A incidência do DM em felinos é comum em animais com mais de 10 anos e pode atingir mais machos do que fêmeas.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Uma vez que os animais se tornem diabéticos, a adoção de dietas adequadas, balanceadas e ricas em proteínas e fibras pode ser benéfica para a saúde do pet. Pensando nisso, ROYAL CANIN® elencou uma série de dicas para o controle da Diabetes Mellitus em cães e gatos. Confira abaixo:
⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

DICAS DE CONTROLE DO DIABETES:
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Cães

• A escolha do alimento correto é muito importante, pois vai auxiliar no controle das variações da glicemia;

• A recomendação veterinária sobre a quantidade de ingestão calórica diária pode evitar a obesidade e, consequentemente, a resistência à ação da insulina;

• Uma alimentação adequada permite maior estabilidade do quadro clínico do animal e, em alguns casos, até exclui a necessidade de medicação;

• Garantir horários corretos e a quantidade calórica adequada em cada refeição.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Gatos

• Corrigir hábitos alimentares para combater e prevenir a obesidade;

• Garantir horários corretos e a quantidade calórica adequada em cada refeição;

• Uma dieta apropriada contribui para minimizar a hiperglicemia após a alimentação.

A ROYAL CANIN®, referência em Nutrição Saúde para gatos e cães, tem no portfólio da Linha Veterinary Diet alimentos que auxiliam no tratamento de animais com DM:
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Cães

• Diabetic Canine (alimento seco)

• Diabetic Special Low Carbohydrate Canine Wet (alimento úmido)

Ambos os alimentos possuem formulação específica que ajuda a diminuir as variações da glicemia após a alimentação. Possuem alto teor de proteína, que promove a manutenção da massa magra e limita a depósito de gordura. Deve ser prescrito por um Médico-Veterinário.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Gatos

• Diabetic Feline: Alimento seco com formulação específica que ajuda a diminuir as variações da glicemia após a alimentação. Possui alto teor de proteína, que promove a manutenção da massa magra e limita a depósito de gordura. Deve ser prescrito por um Médico-Veterinário.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Sobre a ROYAL CANIN®

A multinacional Royal Canin, uma das maiores fabricantes do mundo de alimentos de alta qualidade nutricional para gatos e cães, celebrou 50 anos em 2018. Com 16 fábricas no mundo e presente em 92 países, a marca considera sempre o gato e o cão em primeiro lugar e tem sua história focada no conhecimento e respeito por estes animais.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Em 2002, passou a fazer parte da Mars, Incorporated, líder mundial em alimentos para animais de estimação. A unidade brasileira da Royal Canin está instalada em Descalvado, interior de São Paulo, desde 1990. No mercado brasileiro, a marca disponibiliza mais de 150 alimentos, incluindo produtos específicos para raças, portes, idades, estilos de vida, necessidades específicas, cuidados especiais e auxiliares no tratamento de algumas doenças. Os produtos estão disponíveis em canais especializados, entre os quais, clínicas veterinárias e pet shops, em mais de 15 mil pontos de vendas no Brasil.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Para mais informações visite o site: https://www.royalcanin.com/br

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Imagem: Ermolaev Alexander

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *