Aiuká – parceria que deu certo

Introdução

Há 20 anos, em 18 de janeiro de 2000, os médicos-veterinários Rodolfo Pinho da Silva e Valeria Ruoppolo amanheceram com um chamado urgente: resgatar e reabilitar centenas de aves que tinham sido impactadas pelo óleo vazado de um oleoduto que liga a refinaria Duque de Caxias, da Petrobras, ao terminal da Ilha D’Água, na Baía de Guanabara, Rio de Janeiro. O vazamento de mais de 1 milhão de litros de óleo se espalhou por cerca de 40 quilômetros quadrados causando um severo dano ambiental e social. Nesse acidente, por volta de 323 aves foram resgatadas devido à sua contaminação pelo óleo (Figura 1).

Essa emergência, uma das maiores que o Brasil já registrou, marcou o primeiro trabalho conjunto dos dois profissionais e o início de uma parceria que dura até hoje, com a fundação de uma organização especializada no resgate de fauna impactada por vazamentos de óleo, a Aiuká Consultoria em Soluções Ambientais.

Mas, antes dessa parceria começar, cada um deles respondeu a diferentes emergências em diversos lugares, em uma trajetória pontuada por atuações que os reúnem a um grupo formado por poucos profissionais tão especializados no mundo. Por exemplo, em 1995, Rodolfo trouxe para o Brasil a experiência adquirida na resposta à emergência na Ilha de Dyer (África do Sul), quando participou da reabilitação de 1.200 pinguins afetados por óleo. Esse trabalho foi realizado com o apoio do International Fund for Animal Welfare (IFAW) e, com ele, o médico-veterinário pôde vivenciar as técnicas que, até então, eram somente utilizadas pelo International Bird Rescue (IBR) e pelo Southern African Foundation for the Conservation of Coastal Birds (SANCCOB), duas entidades especializadas na reabilitação de fauna oleada (Figura 2).

Em 1995 e 1996 Rodolfo iniciou seu trabalho no projeto e construção do Centro de Recuperação de Animais Marinhos (CRAM) no Museu Oceanográfico Eliézer de Carvalho Rios da Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG), no Rio Grande do Sul. O CRAM FURG foi o primeiro centro de reabilitação de fauna marinha do Brasil e desde então recupera centenas de animais marinhos anualmente.

Valeria, ao se formar médica-veterinária, mudou-se para a Argentina a fim de trabalhar no Centro de Reabilitação de Fauna Marinha da Fundación Mundo Marino, e lá permaneceu por quase quatro anos, quando retornou ao Brasil no ano 2000 para desenvolver sua pesquisa de mestrado na Universidade de São Paulo. Neste mesmo ano, após participar da emergência com vazamento de óleo na Baía de Guanabara, se tornou membro da Equipe Internacional de Resgate de Animais Selvagens em Contingências do IFAW (Animal Rescue Team/IFAW) e da Equipe de Resgate de Aves Aquáticas em Derramamentos de Petróleo do International Bird Rescue.

Provavelmente a emergência ambiental mais icônica em que ambos trabalharam juntos foi na Cidade do Cabo, África do Sul, no ano de 2000, quando o M/V Treasure, embarcação de transporte de minério de ferro, colidiu com uma laje, próximo à Ilha de Robben. O acidente provocou o vazamento de 400 toneladas de óleo bunker (combustível utilizado em embarcações transoceânicas) e provocou a contaminação de milhares de pinguins-africanos (Spheniscus demersus), naquele momento espécie classificada como “Vulnerável” de extinção pela lista vermelha da IUCN (International Union for Conservation of Nature and Natural Resources). Foram atendidos em uma instalação de oportunidade adaptada para a ocasião 21.086 indivíduos da espécie, dos quais 19.107 foram liberados de volta a áreas limpas, o que representou uma alta taxa de reabilitação, de 90,1%. A reabilitação desses pinguins é reconhecida até o dia de hoje como sendo a maior operação de resgate já realizada no mundo (Figura 3).

Hoje, o total de emergências, tanto nacionais como internacionais, que Rodolfo e Valeria responderam soma 46, diversas já à frente do time da Aiuká (Figura 4).

A equipe da organização é multidisciplinar e formada por mestres e doutores das áreas de medicina veterinária, biologia e oceanografia. Todos os integrantes são especializados na resposta a emergências envolvendo o resgate e a reabilitação de fauna oleada, além de manejo e pesquisa com animais aquáticos, garantindo a excelência técnica nesse processo (Figura 5).

Surgimento da Aiuká

Na língua africana Iorubá, Aiuká significa “fundo do mar”, local privilegiado para o surgimento da vida na Terra, segundo diversas teorias biológicas modernas.  “O nome é, portanto, inspirado na crença que temos da importância do ecossistema marinho para a vida no planeta e na nossa convicção de que ele deve ser protegido dos impactos humanos com responsabilidade e respeito”, explicou Valeria. Ela e Rodolfo assumem, respectivamente, os cargos de Diretora de Projetos e de Diretor de Operações da Aiuká, primeira empresa brasileira com experiência no planejamento, no resgate e na reabilitação de fauna afetada por vazamentos de petróleo para que retorne ao seu ambiente natural em segurança.

“Em 2008, uma resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) passou a exigir das empresas responsáveis por instalações portuárias, plataformas, dutos e refinarias um planejamento preventivo para o resgate de animais em caso de acidente”, lembrou Valeria. “Vimos, nessa decisão, uma boa oportunidade para aplicar no Brasil a experiência que obtivemos fora e, em 2010, fundamos a Aiuká”, reforçou Rodolfo. 

A organização fundada na Praia Grande, litoral central de São Paulo, completou em 18 de fevereiro 10 anos e atende hoje as maiores empresas do mundo do setor de petróleo, entre elas a Petrobras, a Shell e a Total.  A Aiuká mantém dois Centros de Reabilitação de Fauna, localizados em Praia Grande, SP, e em Rio das Ostras, RJ (Figura 6). “Todo o trabalho da Aiuká é validado pelos órgãos ambientais responsáveis, a exemplo do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama)”, explicou Rodolfo.

A Aiuká gerencia a prontidão e a resposta emergencial para fauna em casos de incidentes com atividades marítimas de exploração e produção de petróleo. Também administra operações em portos, terminais e refinarias, direcionando as ações de forma preventiva e reduzindo potenciais impactos à fauna.

Uma das atividades de prontidão executadas pela Aiuká é o Projeto de Monitoramento de Impactos de Plataformas e Embarcações sobre a Avifauna (PMAVE), uma das exigências do Ibama nos processos de licenciamento ambiental dos empreendimentos marítimos de exploração e produção de petróleo e gás natural. O PMAVE orienta as ações de resposta em caso de ocorrência de ave silvestre ou doméstica na área da plataforma ou unidade marítima e região de entorno, transportando os animais de volta para a terra e oferecendo posterior destinação apropriada (Figura 7).

A organização é pioneira nesse tipo de serviço no Brasil e, em função dele, mantém prontidões para empreendimentos nas Bacias de Campos e de Santos. Além de responder com equipe própria, os acionamentos também contam com a parceria de entidades como o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres da Universidade Estácio de Sá, o Beto Carrero World e o Parque Zoobotânico Orquidário Municipal de Santos (PZOMS), instituições com recursos e equipamentos apropriados para os processos de estabilização e reabilitação da fauna resgatada nas unidades marítimas.

A proficiência no gerenciamento e nas respostas à fauna impactada por óleo em emergências off shore (alto-mar) credencia a Aiuká também a atuar naquelas que acontecem em terra. Nesse sentido, uma das mais recentes participações da organização ocorreu em Brumadinho, MG, onde, em janeiro de 2019, ocorreu o rompimento de uma barragem de rejeitos de mineração. A Aiuká liderou a Seção de Operações de Fauna desde o Centro de Comando da emergência – responsável pelo atendimento de animais silvestres e domésticos afetados pelos rejeitos originados pelo incidente (Figura 8). Atualmente trabalha na manutenção do banco de dados e documentação da emergência desde a Seção de Planejamento, em parceria com uma empresa especializada no gerenciamento de emergências ambientais, a Witt O’Brien’s Brasil. Além de atuar em Brumadinho, a Aiuká também está presente em Barão de Cocais, MG, trabalhando na emergência da mina que, embora não tenha apresentado problemas até o momento, demandou a evacuação de 162 famílias que moravam muito próximo do local e o abrigo de quase quatro mil animais domésticos. Cenários como este são de extrema complexidade e demandam uma resposta específica que inclua a segurança dos animais, uma vez que, além de fazerem parte do trabalho e sustento de muitas pessoas, fazem também parte de suas famílias.

Políticas públicas e desenvolvimento da ciência

Essa especialização em emergências ambientais conferiu à Aiuká o convite para participar da formulação de políticas públicas nacionais para resposta à fauna oleada, contidas no Manual de Boas Práticas – Manejo de fauna atingida por óleo, do Ibama, que faz parte do Plano Nacional de Ação de Emergência para Fauna Impactada por Óleo (PAE-Fauna).

O PAE-Fauna fornece as diretrizes de atuação dos órgãos durante uma emergência ambiental. Já o Mapeamento Ambiental para Resposta à Emergência no Mar (MAREM www.marem-br.com.br) inclui o Projeto de Proteção à Fauna, um dos pilares desse trabalho e que consiste em um banco de dados georreferenciados que permitem a análise detalhada da região eventualmente afetada por um derramamento de óleo. A Aiuká, em parceria com a Witt O’Brien’s Brasil, foi a responsável pela elaboração desse projeto que contou com a participação de colaboradores e pesquisadores nacionais e internacionais.

Além de colaborar com políticas públicas, a organização também prioriza o desenvolvimento de pesquisas científicas na área de conservação ambiental. Nesse sentido, já realizou duas das quatro edições do Congresso Latino-americano de Reabilitação de Fauna Marinha: em 2012, no Rio Grande, RS, com a participação de aproximadamente 150 especialistas brasileiros e estrangeiros nas dependências do Museu Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FURG); e em 2018 em Florianópolis, SC, com a participação de 140 especialistas (Figura 9).

Frequentemente, membros da equipe participam também de congressos e workshops dentro da temática de resgate e reabilitação de fauna em emergências ambientais, como o International Oil Spill Conference (IOSC) e a International Effects of Oil on Wildlife Conference (EOW), na qual Valeria participa do Comitê de Programação desde 2003 e co-presidiu o evento em 2015 junto com o International Bird Rescue (IBR). O próximo IOSC será em Nova Orleans, EUA, em maio de 2020. Mais detalhes podem ser encontrados em https://iosc2020.org. O próximo EOW será realizado em 2021 e será organizado pelo IBR, porém ainda sem local definido.

Entendendo que as universidades abrigam a formação da base do conhecimento de novos profissionais, rotineiramente profissionais da Aiuká são convidados para palestras em semanas acadêmicas e eventos estudantis com a intenção de dividir o conhecimento adquirido nestas atividades que envolvem a prontidão para emergências. Neste mesmo sentido, alunos em fase de conclusão de curso são recebidos mensalmente para realização de seus estágios obrigatórios, participando de todas as atividades relacionadas à reabilitação de fauna e da preparação para emergências ambientais. Mais informações podem ser solicitadas pelo email estagio@aiuka.com.br.

Rede global de atuação

A Aiuká é uma das 11 – e a única representante da América Latina – que participa do Projeto Global Oiled Wildlife Response System (GOWRS). Esta é uma rede de organizações internacionais apoiada pela indústria de petróleo no desenvolvimento de um sistema de preparação para resposta à fauna oleada em todo o mundo. O objetivo é atender principalmente àqueles países que não possuem nenhuma estrutura organizada para responder a emergências com fauna oleada. A Aiuká é um dos membros fundadores dessa rede e, em 2019, Valeria Ruoppolo foi eleita sua vice-diretora, reconhecimento que reforça a posição de vanguarda da organização na construção e alinhamento dos procedimentos internacionalmente aceitos para resposta a derramamentos de óleo (Figura 10).

Por meio dessa rede, no ano de 2018, a Aiuká participou da resposta a um vazamento de óleo no Porto de Roterdã, na Holanda, o maior porto europeu. O vazamento ocorreu em decorrência da colisão entre uma embarcação (MS Bow Jubail) e o terminal portuário, causando um vazamento de 200 toneladas de óleo bunker. Resultado disso, em torno de 30 horas após o acidente, 400 cisnes-mudos (Cygnus olor) já lotavam os três centros de reabilitação da região (Figura 11). Uma resposta eficiente foi organizada em um galpão temporário e em cerca de 30 dias, 522 cisnes oleados foram resgatados, dos quais 497 foram soltos. Uma taxa de sucesso de reabilitação de 95,2%.

Responsabilidade socioambiental

Vida e responsabilidade são dois conceitos integrados aos valores da Aiuká, que entende os cuidados da fauna selvagem como não só uma atividade de trabalho, mas também – e principalmente – como atenção e respeito pelo bem-estar dos animais debilitados para devolvê-los sadios ao seu ambiente. Esse entendimento é resultado dos anos de experiência de Valeria e Rodolfo no terceiro setor, quando tiveram a oportunidade de fundar organizações não-governamentais voltadas à conservação de espécies marinhas.

A reabilitação das diferentes espécies que são levadas à Aiuká pela população ou por parceiros da área de conservação ocorre nos dois Centros Operacionais da organização. Entre os parceiros deste trabalho estão os Grupamentos Ambiental e Costeiro da Guarda Civil Municipal de Praia Grande, SP, o Instituto Biopesca e órgãos ambientais de Rio das Ostras, RJ.

Buscando o aprimoramento da reabilitação em todos os seus estágios, e no sentido de promover conhecimento, a Aiuká oferece treinamento especializado para os cadetes dos Grupamentos Ambiental e Costeiro da Guarda Civil Municipal de Praia Grande ao início de suas atividades. Nessas aulas, os alunos são instruídos quanto aos diferentes grupos animais, formas corretas de contenção das diferentes espécies encontradas na região, o acondicionamento correto da fauna, segurança no trabalho e uso de EPIs (equipamentos de proteção individuais) e sobre a importância das zoonoses (Figura 12). Além disso, os resultados da parceria são apresentados durante o curso com informações do número de animais atendidos e as solturas realizadas.

Com esse trabalho de parceria na reabilitação, no ano de 2019, 328 animais, entre aves, mamíferos e répteis, receberam cuidados nos dois Centros Operacionais da Aiuká. Este número vem crescendo anualmente desde 2015, quando esses trabalhos se iniciaram. E, ao longo dos 10 anos de história, um total de 1.012 animais foram atendidos nas instalações da Aiuká (Figura 13).

Deste total, destacam-se como espécies predominantes para cada classe, o pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) para as aves, o saruê-de-orelha-preta (Didelphis aurita) para os mamíferos e a tartaruga-verde (Chelonia mydas) para os répteis (Figura 14).

Ao ingresso, os animais passam por exame clínico minucioso, a fim de angariar o maior número de informações que possam conduzir ao seu tratamento efetivo. Neste sentido, o responsável pela entrega do animal, seja civil ou pertencente a uma instituição pública, também é questionado sobre o histórico daquele animal. A causa dos ingressos deve-se a motivos diversos, porém ocorrem principalmente em função de interações antrópicas. Entre os problemas apresentados estão a ingestão de lixo e emalhe em redes de pesca por tartarugas marinhas, traumas diversos para as aves, sendo incluídos nesta categoria choques mecânicos sofridos por colisão com estruturas, quedas de ninhos e atropelamento. Já para os mamíferos, as ocorrências mais comuns são de filhotes órfãos. Após atendidos, os animais são reabilitados, sendo acompanhados diariamente por médicos-veterinários até que sua condição de higidez seja recuperada para então, após receberem a marcação permanente (anilha ou microchip), serem liberados (Figura 15). Nessa etapa do processo existe também o apoio do Grupamentos Ambiental e Costeiro da Guarda Civil Municipal de Praia Grande. O processo somente é realizado após a emissão da autorização de soltura pelo Sistema Integrado de Gestão de Fauna Silvestre (SIGAM) do Departamento de Fauna da Subsecretaria de Meio Ambiente de São Paulo.

A Aiuká atua de maneira responsável na questão socioambiental também no apoio ao Instituto Mar (www.institutomar.org.br), organização integrante da sua rede de parceiros. “Promovemos a conscientização e a mobilização da sociedade para sensibilizá-la quanto às ameaças ao ecossistema marinho e à importância da sua conservação, propondo convênios e parcerias a fim de desenvolver esforços conjuntos em direção a esse objetivo”, explicou a bióloga Laura Ippolito Moura, Gerente de Operações do Instituto Mar (Figura 16).

Centros Operacionais em São Paulo e no Rio de Janeiro

O Centro Operacional da Aiuká em Praia Grande, o COP Aiuká SP, é a mais moderna instalação no Brasil preparada exclusivamente para o manejo e a reabilitação de fauna oleada. A organização conta ainda com outro Centro Operacional, esse em Rio das Ostras, o COP RJ, que replica as boas práticas implementadas no COP SP.

Ambas as instalações são adaptadas para o processo de recebimento, manejo e reabilitação de fauna marinha e silvestre e estão sempre preparadas para o resgate, atendimento de emergências e reabilitação da fauna (Figura 17). O COP SP está construído em 750 m² e suas áreas de trabalho se dividem em administrativas e veterinárias. Já o COP Aiuká RJ tem aproximadamente 730 m² de área construída.

A localização de ambas as instalações foi decidida de forma estratégica, a fim de estar perto de duas das principais bacias de exploração de petróleo no Brasil, a Bacia de Santos e a Bacia de Campos. Essa proximidade contribui para o tempo de deslocamento da equipe no caso de uma emergência, e possibilita o trabalho de reabilitação das aves provenientes de plataformas e embarcações.

Cotidiano

Além de todas as atividades voltadas à reabilitação de animais e, sendo que o dia-a-dia da Aiuká nem sempre é composto por atendimentos a emergências ambientais, há também uma rotina de preparação que envolve a todos. Estar com os profissionais e os equipamentos preparados para situações de emergência envolve a rotina diária e é o que assegura ter uma boa resposta nessas ocasiões.

Elaboração de estratégias e planejamento para Planos de Proteção à Fauna (PPAFs)

Tais planos de contingência são elaborados para situações específicas de cada operação (Figura 18), considerando a área de atuação e onde está situado o poço.

Nessa tarefa, a equipe multidisciplinar reúne todas as informações disponíveis para determinar qual será a melhor estratégia para atender a uma emergência com suas características especificas. Com o plano pronto e, a fim de colocá-lo em prática e buscar melhorias, exercícios simulados são realizados anualmente para que todos compreendam e exercitem a sua participação numa emergência.

Os exercícios simulados criam uma situação correspondente a um acidente real, e permitem que cada setor de atendimento da emergência treine suas habilidades, faça seu planejamento, determine a logística necessária e os recursos a serem utilizados. Os exercícios contemplam desde o acionamento da equipe, o deslocamento, a mobilização de pessoas e equipamentos, até o briefing final do primeiro dia de uma emergência, levantando os pontos positivos e aqueles passíveis de melhoria diante de uma situação real (Figura 19).

Elaboração e execução do PMAVE  (Projeto de monitoramento de impactos de plataformas e embarcações sobre a avifauna)

Esse projeto tem como finalidade principal elucidar a ocorrência das aves em plataformas, embarcações e/ou unidades marítimas e entender o possível impacto delas, especialmente para as aves marinhas. Seu desenvolvimento envolve a elaboração do projeto com as características específicas de cada operação e o treinamento dos técnicos embarcados responsáveis (TER). Esses técnicos conciliam a rotina de trabalho nas unidades marítimas com a função de observadores de oportunidade. Uma vez que avistem ou encontrem uma ave que necessite de cuidados específicos, entram em contato com os técnicos da Aiuká para realizarem o atendimento com auxílio remoto, até o desembarque do animal. O treinamento capacita-os a identificar um animal doente, realizar a captura e acondicionamento até o seu desembarque, além da preparação da documentação necessária para os órgãos ambientais.

A verificação da documentação pertinente dentro de parâmetros estabelecidos pelos órgãos ambientais é parte fundamental do processo.

O atendimento remoto das aves por meio de comunicação com o TER auxilia na manutenção da ave enquanto aguarda o desembarque para o atendimento completo, quando do resgate e do transporte da ave acometida até um dos centros de reabilitação.

Pode ocorrer também o embarque de um médico-veterinário em unidades marítimas (plataformas, embarcações, etc) quando há ocorrência de animal instável clinicamente e que tenha status alto de conservação. Para isso, os médicos-veterinários da Aiuká passam por treinamentos específicos que viabilizam o embarque nessas unidades.

Os treinamentos requeridos para o ambiente offshore, o T-Huet (Tropical Helicopter Underwater Escape Training) e o CBSP (Curso Básico de Segurança de Plataforma), são treinamentos de salvatagem considerados vitais para o trabalho em embarcações e unidades marítimas, como um pré-requisito de segurança. Por isso, a equipe técnica da Aiuká mantém essas exigências em dia para não ter qualquer impedimento num cenário de emergência.

Dentre os acionamentos para atendimento de aves, por vezes há surpresas nas diferentes espécies encontradas em unidades marítimas. Um dos casos mais notáveis foi o de uma jiboia (Boa constrictor constrictor). Não é possivel saber ao certo como o animal acessou a embarcação, mas uma vez encontrado por um dos técnicos à bordo gerou insegurança na unidade e, para isso, um dos profissionais da Aiuká embarcou por aeronave até a unidade para realizar o resgate (Figura 20). Ressalta-se que todas as ocorrências que fogem ao escopo do projeto são devidamente comunicadas aos órgãos ambientais para obter as autorizações pertinentes às ações de resgate e reabilitação.

▪ Reabilitação de fauna oleada

O procedimento ocorre durante emergências envolvendo vazamento de óleo ou de forma esporádica, quando animais acometidos por óleo ou derivados, provenientes de outras instituições, são destinados à Aiuká para sua reabilitação.

Para a reabilitação desses animais, é utilizado um protocolo padrão internacional, ou seja, todos os participantes do GOWRS Project utilizam a mesma metodologia para a reabilitação. Essa padronização simplifica o trabalho em equipe quando há cooperação internacional de instituições e permite realizar melhorias de acordo com a experiência de todos. Pertencem ao processo as seguintes etapas (Figura 21):

1. Admissão no centro de reabilitação

Recepção do animal com exame físico para triagem. É importante salientar que o atendimento veterinário em eventos com um alto número de animais acometidos funciona semelhantemente a um hospital de campanha numa guerra, onde os pacientes serão triados segundo a severidade do seu quadro clínico para o tratamento.

Essa etapa também é composta por um exame de sangue simples (hematócrito e proteínas plasmáticas totais).

Nesse momento há limpeza dos excessos do produto contaminante dos olhos e mucosas, enfatizando que esse não é o momento para a limpeza completa do corpo dos indivíduos.

2. Estabilização

Após a determinação de seu estado, os animais são separados em grupos de mesma espécie e com estado clínico semelhante, inclusive no grau de contaminação por óleo. Esses animais serão estabilizados, recuperando peso, hidratação e condição clínica estável para então serem encaminhados para a limpeza do produto contaminante.

3. Limpeza do óleo, enxágue e secagem

O procedimento completo de limpeza dos animais é um assunto extenso e merece atenção e dedicação especial. De maneira generalista, é o momento em que é retirado todo o produto contaminante do animal, seguido por um enxague completo para que não reste qualquer resíduo. Após a secagem do corpo, é possível avaliar a eficácia do banho. O ideal é que seja um procedimento único, sem necessidade de repetição. O tempo do procedimento completo varia de acordo com a espécie e nível de contaminação.

Vale acrescentar que os animais passam por uma nova avaliação clínica prévia à sua limpeza assegurando sua estabilidade clínica para suportar este procedimento.

4. Recondicionamento

Essa é a etapa final. Nela o animal será acondicionado em recinto com água limpa disponível e será constantemente estimulado a fazer o alinhamento de suas penas (no caso das aves). Receberá também uma dieta equilibrada já visando sua soltura.

5. Exame pré-soltura + anilhamento

Ocorre nova avaliação clínica, agora para verificar se os animais apresentam quadro clínico condizente com sua espécie. Além disso, passam por uma importante avaliação chamada “Teste de impermeabilização”. Tal avaliação visa verificar se as aves recuperaram sua capacidade de impermeabilização de penas, ou seja, as penas externas precisam funcionar como uma barreira impermeável e impedir que as plumas e a pele do animal se molhem. Aprovados nestes dois testes, os animais são anilhados ou marcados para sua soltura, de acordo com a sua espécie.

6. Soltura

Deve ser sempre realizada em local de ocorrência da espécie. Neste caso, é importante determinar se a área afetada pelo acidente já foi recuperada para que o animal não volte a se contaminar. Ainda assim, é recomendável liberar o animal em área distante à do acidente.

Atualidades

Em agosto de 2019, manchas de óleo começaram a aparecer em praias do litoral nordestino. Com origem incerta, a mancha proveniente de mar aberto começou a assustar moradores e turistas de, pelo menos, quatro estados. No início de setembro, após grupos locais iniciarem uma resposta voluntária com intuito de limpar as áreas acometidas, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), passou a organizar a resposta e fornecer informações necessárias para que o trabalho de limpeza de praia e de reabilitação de fauna fosse feito de maneira ordenada e segura. De forma sistemática, o Ibama listou instituições que já trabalhavam com animais marinhos e silvestres que pudessem participar de forma voluntária da reabilitação de fauna acometida e passou também a organizar todas as informações no seu site (https://www.ibama.gov.br/manchasdeoleo).

Em novembro, quando resíduos contaminantes foram encontrados no litoral do Sudeste, a Aiuká cooperou voluntariamente com o órgão ambiental a fim de receber animais provenientes da emergência com o óleo, seja em seus municípios de atuação, seja por meio de parceiros ou outras instituições que desejassem encaminhar os animais aos seus cuidados. Nas últimas atualizações, os resíduos de óleo chegaram a 12 estados, totalizando 1.004 pontos; destes, 570 estão limpos e 434 localidades ainda seguem com vestígios esparsos de contaminação. As atualizações são publicadas semanalmente no site do Ibama.

Autores

2 thoughts on “Aiuká – parceria que deu certo

  1. Olá, boa tarde.
    Gostaria de agradecer muito o empenho a determinação da AIUKÁ pela causa animal, sempre que realizamos resgate de Animais Silvestres, Animais e Aves Marinhas, sabemos que poderemos contar sempre com a ajuda da AIUKÁ. Onde esses animais passam por reabilitação até a soltura novamente em seu habitar-te natural, são Bravos Guerreiros e Guerreiras.
    Deixo aqui o meu muito Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *